Logotipo da TAPS

Logotipo da TAPS
TAPS - Temas Atuais
na Promoção
da Saúde

 




Estilo de vida

imprimir

 

As doenças aumentam

Desafiamos os rumos da industrialização e mostramos que as mudanças necessárias para proteger a saúde individual são mais profundas do que uma modificação no estilo de vida.

É comum pensar que o meio mais certo para melhorar a saúde do pobre é um aumento em sua riqueza individual. Mas a busca cega de crescimento econômico pode levar a caminhos estranhos e doentios. Acidentes de trânsito, por exemplo, aumentam o Produto Interno Bruto, pois gastam dinheiro tentando recompor carros e pessoas. Poluir e despoluir também contribuem para nossa economia, mas nem tanto para nosso bem-estar físico.

Atualmente, os gastos crescentes com tecnologia sofisticada, para atender a doença, não representam uma melhoria de saúde. Os métodos fascinantes de cura e "salvamento"— característicos da medicina moderna — estão finalmente sendo vistos de forma mais realista. Começamos a perceber que a melhor maneira de controlar a maioria de nossos problemas de saúde consiste em modificar a situação presente.

Está muito claro que nosso principal problema de saúde é conseqüência da busca indiscriminada do crescimento econômico. Existe um conflito fundamental entre a produção de "riquezas", como é normalmente definida, e a promoção da saúde. Não tem sentido seguir diretrizes sociais e econômicas que ignoram — ou até mesmo aumentam — os riscos da saúde. No entanto, na maioria das sociedades industriais, é exatamente isto que estamos fazendo. Nossa idéia de progresso social, e as muitas diretrizes que adotamos para atingir este progresso, são, na verdade, tentativas de conseguir um aumento indiscriminado na produção e no consumo de bens materiais.

As diretrizes industriais, agrícolas e comerciais, geralmente não fazem distinção entre produtos socialmente úteis e "saudáveis" (como os alimentos integrais) e produtos prejudiciais (como o cigarro e alimentos super refinados, como a farinha branca). A Noruega é um dos poucos países que tem uma política mais séria — uma política que leva em consideração o que é produzido e quanto é produzido.

Mortes e traumatismos por acidente de trânsito, doenças relacionadas ao estresse, provocadas pelo cigarro, alcoolismo, obesidade, cáries dentárias, e assim por diante, são cada vez mais reconhecidas como subprodutos indesejáveis, mas inevitáveis na busca freqüente do desenvolvimento econômico. Em lugar de produzir os bens que realmente necessitamos e bens duráveis, cada vez mais produzimos mercadorias desnecessárias — e até planejamos sua rápida obsolescência. Produzindo e transportando mercadorias desnecessárias, contribuímos ainda para os acidentes e, cada vez mais, aumentamos os riscos de saúde devidos a poluentes industriais.

A tabela abaixo agrupa as doenças e os acidentes da era moderna por categoria econômica, numa tentativa de chamar a atenção sobre o conflito entre a saúde e a busca indiscriminada do crescimento econômico. Esse tipo de classificação deixa claro quais as pesquisas e medidas de prevenção necessárias. Porém, a prevenção tem que ser direcionada para as causas básicas. Campanhas e atividades preventivas, que parecem boas, podem estar erroneamente dirigidas contra sintomas e conter apenas advertências inúteis. Por exemplo: advertências moralistas e puritanas que incentivam as pessoas a "apertarem o cinto", a modificar seu estilo de vida, a parar de fumar, a comer menos, a fazer exercícios, a dirigir com cuidado etc., têm pouco resultado. Apenas desviam a atenção das diretrizes e práticas que realmente produzem o estresse e os riscos. A tabela mostra para onde devemos dirigir nossa atenção a fim de eliminar ou reduzir as condições que levam as pessoas a viver mal.

Depois de reconhecer o conflito entre saúde pública e a busca indiscriminada de crescimento econômico, precisamos mudar nossas metas sociais e econômicas. Precisamos integrar a política econômica, a política social e a política de saúde, em vez de colocar as considerações econômicas em primeiro lugar e criar, desta forma, problemas de saúde e problemas sociais. Por exemplo, as diretrizes para a indústria e para o transporte são, em parte, diretrizes para a saúde (ou antes contra a saúde). Precisamos mudar nossa maneira de pensar que as diretrizes para os serviços de saúde constituem diretrizes adequadas para a saúde da população.

A solução para esse problema está na criação de tecnologia alternativa, ao invés de tecnologia avançada e cara que, freqüentemente, desperdiça energia, gera desemprego e poluição. A solução está também numa abordagem biológica e ecológica para a agricultura, nutrição e medicina, ao invés da simples abordagem química e de engenharia. O mais importante é reconhecer que o comportamento da economia atual, tanto nos países industrializados, como nos países subdesenvolvidos, está causando acidentes, doenças e mortes em escala crescente, bem como problemas com a poluição e recursos não-renováveis.

Existe nítida relação entre diretrizes econômicas que trazem benefícios ecológicos e diretrizes econômicas que favorecem a saúde pública. Por esse motivo, estão se formando novas associações e grupos de pressão. Estes grupos são indispensáveis. As perguntas certas, a respeito da sociedade que estamos criando, precisam ser divulgadas. Poucas pessoas se beneficiam dessa espécie de desenvolvimento que fomenta acidentes e doenças.

COMO PRODUZIMOS

RISCOS 

DOENÇAS PROVOCADAS

poluição industrial

boll

Uso de várias substâncias químicas e tóxicas em mineração, indústria e agricultura

boll

Doenças e lesões ocupacionais como: doenças causadas pelo amianto e pela irradiação; câncer de pele, pulmão, bexiga e outros

boll

Descuidado no emprego
de métodos de produção com pouca mão-de-obra

boll

Lesões e mortes em acidentes de trabalho;
substituição da mão-de-obra por máquinas, levando ao desemprego e, conseqüentemente, à ansiedade, depressão, alcoolismo e tabagismo (com bronquite e câncer do pulmão)

boll

Utilização crescente
de seres humanos em funções repetitivas,
passivas ou automáticas

boll

Obesidade; acidentes de trabalho; alcoolismo; doenças relacionadas com tédio ou estresse

boll

Poluição industrial

boll

Afeta não somente os trabalhadores, mas toda a população e até outros povos (por exemplo: poluição local pelo chumbo; poluição por dióxido de enxofre na Noruega, criada na Inglaterra; poluição por radiação atômica na Europa, criada na Rússia)

QUANTO PRODUZIMOS

RISCOS 

DOENÇAS PROVOCADAS

sucata

boll

Pressões causando rapidez prejudicial no processo de produção

boll

Maior risco de acidentes. Por exemplo:
acidentes de mergulho; "estresse do executivo", provocando tabagismo, acidentes de transito, alcoolismo e obesidade

boll

Pressões relacionadas
com o marketing agitado
e prejudicial

boll

Causando as doenças relacionadas com "estresse do executivo" e — onde a vida doméstica é abalada — aumentando o risco de doenças mentais

boll

Pressões para utilizar formas de energia que ameaçam a saúde

boll

Lesões e mortes por radiação atômica

boll

Pressões para adotar níveis excessivos nos estoques, nos transportes e na rotação de mão-de-obra

boll

Acidentes de trânsito afetando caminhões, carros, ônibus e trens. Vida doméstica abalada com riscos mencionados.

O QUE CONSUMIMOS

RISCOS

DOENÇAS PROVOCADAS

cigarro e bebida

boll

Consumo de produtos que causam doenças e acidentes

boll

Doenças provocadas pelo cigarro; cáries dentárias e outras doenças ligadas ao consumo de doces, chocolates, etc., inclusive obesidade e alguns casos de diabete; acidentes de trânsito provocados pela bebida ou por uso de tranqüilizantes ou drogas; envenenamento por pesticidas, agrotóxicos e aerossóis

boll

Consumo de alimentos desvitalizados

boll

Doenças degenerativas provocadas pelos alimentos industrializados, que não contêm elementos vitais nem fibras (por exemplo, derrame, enfarte, artritismo, etc.)

boll

Riscos relacionados ao lixo

boll

Envenenamento pelo lixo químico e radiativo, por exemplo, dos operários; da população através da contaminação de água; etc.

QUANTO CONSUMIMOS

RISCOS

DOENÇAS PROVOCADAS

super mercado

boll

Pressões para consumir, isto é, propaganda do tipo "coma" e "beba"

boll

Problemas relacionados a alimentação, como obesidade e outros problemas metabólicos; doenças reumáticas; doenças do aparelho digestivo; doenças cardiovasculares, etc

boll

Pressões para repor / atualizar produtos duráveis num ritmo crescente ("obsolescência planejada")

boll

Estados de ansiedade e depressão causados pela pressão financeira e pressão do tipo "não ficar para trás"

COMO COMPARTILHAMOS

RISCOS

DOENÇAS PROVOCADAS

favela

boll

Falta crônica e deterioração de moradias e serviços (água, luz, esgoto, telefone) apesar do aumento constante dos níveis de produção e do consumo de energia

boll

Infecções respiratórias e gastrointestinais devidas à falta de saneamento, moradias inadequadas, super lotação e falta de abrigo. Acidentes com crianças que não têm áreas de lazer seguras e atraentes

boll

Problemas crônicos de desemprego e pobreza entre subgrupos específicos da população   

boll

Os efeitos da pobreza e do desemprego (como a desnutrição, ansiedade, depressão e as doenças relacionadas ao fumo e às bebidas alcoólicas) ocorrem principalmente em famílias de um só cônjuge; entre migrantes que vivem em áreas urbanas superpovoadas e decadentes, com alto nível de desemprego; em pessoas de meia-idade e velhos, sem qualificação, cujo estado físico deteriorou; entre lavradores que possuem pouca ou nenhuma terra para plantar, criar galinhas,etc

_____
Fonte: New Internationalist, nº 50

 

 

top